Vitamina D

Vitamina D e Câncer: qual a relação?

Estudos recentes apontam que manter níveis adequados de Vitamina D diminui o risco de câncer. Logo, se você deseja manter-se saudável e afastar mais de trinta diferentes tipos de doenças, sugerimos que comece a ficar amigo(a) do sol.

vitamina D é um hormônio esteróide lipossolúvel essencial para o corpo humano e sua ausência pode proporcionar uma série de complicações. Afinal, ela controla 270 genes, inclusive células do sistema cardiovascular. Segundo o pesquisador Luis Cláudio Gonçalves de Castro Castro, a vitamina D é primariamente atribuída o papel de importante regulador da fisiologia dos ossos[1]. Além disso, ela é importante antidepressiva, protege a tireóide e tem uma importante ação anticancerígena.

Garlan, Phd, em 1980, associou a deficiência de Vitamina D ao desenvolvimento de certos tipos de câncer. Nesse estudo concluiu-se que pessoas que moram em latitudes mais altas e, por consequência, têm menos contato com o sol, possuem mais chances de apresentar deficiências de Vitamina D. Esses mesmos indivíduos apresentaram taxas mais altas de câncer de cólon, mama, próstata e ovário.

Atualmente, a Universidade da Califórnia, EUA, lidera um novo estudo que descobriu que níveis elevados de Vitamina D estão associados a uma diminuição do risco de câncer. Os pesquisadores, além disso, procuraram identificar o nível de Vitamina D3 necessário no sangue para reduzir efetivamente o risco de câncer.

Através dessas pesquisas chega-se a conclusão de que, aumentar as concentrações de Vitamina D3 para um mínimo de 40 ng/ml na população, provavelmente reduziria as taxas de câncer e subsequente mortalidade. Logo, a intenção é mostrar que investir na prevenção, ao invés do tratamento, é essencial para diminuir a tendência mundial de incidência de câncer.

As doses variam a cada ser humano, pois cada organismo tem suas individualidades, por isso é importante conhecer a fundo o paciente e seus exames.

A principal fonte de produção da vitamina se dá por meio da exposição solar, é preciso que o indivíduo receba a luz solar direta, sem protetor solar, nos horários das 10 às 16h, pois os raios ultravioletas do tipo B (UVB) são capazes de ativar a síntese desta substância.

Alguns alimentos, especialmente peixes gordos, são fontes de vitamina D, mas é o sol o responsável por 80 a 90% da vitamina que o corpo recebe. Ela também pode ser produzida em laboratório e ser administrada na forma de suplemento, quando há a deficiência e para a prevenção e tratamento de uma série de doenças.

Portanto, viva o nosso país tropical!

 

Equipe Mispá Vida

[1] CASTRO, Luis Cláudio Gonçalves. O sistema endocrinológico e a vitamina D. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004-27302011000800010&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 21/01/2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *